11/05/2004

Quadrúpedes.



"En suma, desde pequeño, mi relación con las palabras, con la escritura, no se diferencia de mi relación con el mundo en general. Yo parezco haber nacido para no aceptar las cosas tal como me son dadas."
Julio Cortázar


Ignorância tecnológica. Não adianta mais brigar com o computador e os recursos oferecidos. Vou enfrentar este emaranhado de opções para escrever, senão terei que voltar aos tempos da Remington...charmosa, barulho gostoso de ouvir que dá ritmo às idéias...

Não consigo colocar fotos, formatar texto. Uma piada. Vida cheia.. tudo ao mesmo tempo agora...será um blog noturno, como deve ser o da maioria por aqui. Vejo tanta coisa interessante traduzida por aqui, que dá vontade de escrever também.

Sexta-feira. Mais chuva. Dia dos seres quadrúpedes invadirem as ruas, bares, cinemas...continuo bípede. Sexta-feira, fim de semana, quando tudo pára, o vazio enche, se apresenta absoluto, cru. Meus motes de sobrevivência num mundo de unanimidade quadrúpede não me convencem mais... (Os seres quadrúpedes, explico, são coisa de Macedônio Fernandez, fiquei com esta definição de casais, imaginando o ser quadrúpede subindo a Calle Florida.... Aliás, minhas idéias margeiam os livros que li, sou feita deles. Carência...? Será isso?

Lembro-me de Alejandra Pizarnik....

"La carencia

Yo no sé de pájaros,
no conozco la historia del fuego.
Pero creo que mi soledad debería tener alas. "
Fim de semana.

11/04/2004

cacao mental

Turbilhão de idéias. Terei que confundir-me mais para depois expulsa-las. Minha vida nunca foi retilínea, graças a Deus, pois há quem acredite que isso é normal. Mas a normalidade está na loucura que é viver/conviver a cada dia superando uma nova contradição... ouvi uma vez esta frase... 'cresço com minhas contradições'...aqui estou agora. Sou mãe. Aliás, estou aqui pelo fato de ser mãe, pois fui fuçar no e terminei contagiada pela onda do blog.
Sou mothern... sozinha, trabalho, faço ginástica, brinco, vou a pula-pula, parques e todos o micos maternos possíveis - fiquei presa na tubulação da piscina de bolas e o Pedroca não queria sair, domingo no shopping,repleto de famílias sedentas por lazer num ambiente fechado.
tudo confuso.
...le ciel gris, l'âme bleue...

Ventura.

Tarde de chuva no cerrado. Fez novembro por aqui. Vontade de trabalhar, mas não existo aqui. Fui existir noutro lugar. Criei o Ventura. Vamos ver aonde chegaremos. Ele tinha que nascer...de mim.